Buenos Aires: um roteiro simples, mas objetivo

Buenos Aires, Bailes, Roteiro Buenos Aires

Este post aqui é diferente. Ele traz um roteiro de Buenos Aires. Um compilado daqueles lugares que eu amei na cidade. Mas antes de chegar a ele, preciso explicar. Toda vez que viajamos para um lugar diferente, pesquiso muito. Sou daquele tipo de pessoa que lê um trilhão de blogs, pega dicas com pessoas que já foram, compra guias de viagem. Mas com Buenos Aires não foi assim. Talvez porque tenha sido a nossa primeira viagem.

Eu e o Fe, como eu contei aqui, fomos duas vezes à cidade. A primeira em 2011 (quando eu fiquei apaixonada pelo lugar e “defini” que voltaríamos no ano seguinte, na nossa lua de mel – num roteiro que ainda incluiria Uruguai e Chile – o que não aconteceu) e a segunda, em 2014, quando de fato o roteiro incluiu o Uruguai. Mas deixou o Chile de fora.

Falei no outro post, mas não custa lembrar:  fiquei super pouco tempo na primeira vez (cheguei na sexta à noite e voltei na madrugada de domingo para segunda), mas deu pra conhecer um monte de coisas. Porque aproveitei todo know-how adquirido pelo Fe nos dias anteriores (ele chegou alguns dias antes e fez todos os passeios, aí foi meu guia nas poucas horas que eu tinha – e, sim, fez tudo de novo. Só que comigo).

O hotel ficava no centro (geralmente, quando vamos a um lugar pela primeira vez optamos por isso). Não era dos melhores (quarto básico e café da manhã básico, mas não era ruim). Mas conseguimos fazer a maior parte dos passeios a pé, o que foi ótimo.

Buenos Aires: um roteiro simples e objetivo

Em 2011 uma amiga pediu dicas de coisas para fazer na cidade. E eu montei o roteirinho abaixo. Ele é simples, mas ótimo para quem vai conhecer Buenos Aires em um fim de semana porque traz realmente o essencial. Não está separado por dias, mas por coisas para se fazer em cada um dos lugares.

Puerto Madero

Passeie sem rumo e horário pela região, que é deliciosa e tem restaurantes ótimos! E alguns pega-turistas também. Um deles é o Siga La Vaca.

Siga La Vaca, Buenos Aires, roteiro Buenos Aires
Ok, é pega-turista, mas a vaquinha lá na frente é uma graça

Custa uns 100 pesos, com direito a Buffet à vontade e bebida – que pode ser uma garrafa de vinho!). É legal a experiência e tal, mas sinceramente não acho que valha a pena. Numa churrascaria brasileira você come muuuito melhor. Mas a gringaiada fica maluca por lá. E também, na conversão, fica ridiculamente barato para o gringo.

Na primeira vez que fomos, tinha um restaurante muito bom chamado El Potrillo, mas ele fechou. Mas tem vários ali pela região. Não são baratos, mas come-se bem.

Para a sobremesa, vá ao Freddo, rede Argentina de sorvetes que já tem aqui no Brasil (pelo menos em São Paulo, tem). Quando fomos em 2011, ainda não tinha. Me acabei. Dica: peça dulce de leche tentación… é muito bom! (Mas peça para experimentar tudo o que for possível antes!)

Freddo, dulce de leche, Buenos Aires, roteiro Buenos Aires
Freddo: experimente todos os sabores possíveis até escolher o seu (vale a pena!)

Se estiver com vontade de comer sanduíche, ali tem o Hooters e o TGI Fridays. Caso queira uma experiencia “sanduichística”, vá ao Fridays. Nem vai precisar jantar.

Fridays, onde comer, Buenos Aires, roteiro Buenos Aires
O sanduíche ridiculamente gigante do Fridays (sem espaço para jantar no dia) – antes

O que ver

Em Puerto Madero tem também a Puente de la Mujer (nada demais, mas a foto fica bem legal e você fala que foi) e um barco antigão (Museo Fragata Sarmiento) com várias coisinhas mais antigas ainda (acho que custa uns 2 pesos pra entrar e é só pra dizer que você entrou também). O Fe foi. Eu fiquei só com a visão externa mesmo.

Puente de la Mujer, lá em casa tem vinho, roteiro Buenos Aires
Puente de la Mujer

 

Buenos Aires, roteiro Buenos Aires, museu fragata
O museu (Museo Fragata Sarmiento). O barco é bonito, mas não fiquei muito afim de entrar

Ali por Puerto Madero ainda tem a estátua de Carlos Gardel. Pra quem não sabe foi um dos maiores cantores de tango de todos os tempos (ou o maior?). Não é certo se ele nasceu no Uruguai ou na França. Fato é que ele dizia ter nascido em Buenos Aires, aos “dois anos e meio de idade”. É dele a música “Por Una Cabeza”, tango que é dançado por Al Pacino no filme “Perfume de Mulher”. Aproveite para tirar uma foto.

Carlos Gardel, Puerto Madero, Buenos Aires, roteiro Buenos Aires
Eu amo “Por Una Cabeza” (aquela cena de Perfume de Mulher é linda demais!) – não resisti e tirei a foto

Centro

Calle Florida e arredores

É onde a ferveção acontece. A Calle Florida é o como se fosse o centro de São Paulo deles. Muuuuitas lojas e coisinhas pra comprar!!! Não deixe de passar nas lojas de bijuteria: tem uma que se chama Isadora, que tem na cidade toda, é bem legal. Achei vários braceletes lindos!

Ali está também a única loja de departamentos da Argentina, a Falabella. A loja é muito legal, com preços ótimos: aproveite ali para comprar vinhos, alfajor (que não são Havanna, mas são muito bons! Aliás, fica outra dica: há diversas marcas de alfajor e a maioria é melhor que Havanna, e mais barato. Comprei muita coisa no Carrefour) e coisas para casa. Tudo é muito barato! Tem coisas que vi que custam a metade do preço que é aqui em São Paulo. Ah! Se você quiser comprar casacos, tem uma loja ótima. O dono, um senhor muito simpático e falante, disse que muita brasileira compra casaco por lá. E fez questão de citar a Fátima Bernardes, que é cliente fiel. Se é ou não, não sei. Mas o cara é bom de venda.

Se a intenção é trocar dinheiro, por ali tem também muita casa de câmbio. Uma outra dica é ir com Reais na Feira de San Telmo (foi o melhor câmbio que pegamos). Vão ficar várias pessoas gritando “câmbio, câmbio” no meio da rua e olhar pra sua cara e perguntar se  você é brasileiro (em um dos dias em que estivemos lá, disseram até “preço melhor que o da 25 de Março”, crê nisso?).

Avenida 25 de Mayo

Por ali está também o Obelisco, na avenida 25 de Mayo (uma espécie de Faria Lima deles), que nada mais é que a versão Argentina do monumento. É igual ao do Ibirapuera.

Vale a foto, mas tem nada demais. Na primeira vez, passei por lá de táxi e não quis voltar. Na segunda, como tínhamos muito tempo, paramos para ver de pertinho. Uma coisa legal é que na esquina da Calle Reconquista com a Av. Corrientes dá pra tirar uma foto bem no meio da faixa de pedestres, com o Obelisco ao fundo (bom se você não tiver muito tempo a perder).

Agora se você resolver subir até a avenida, vire para a sua direita e olhe o prédio na Avenida 9 de Julho, com Evita. Ele foi inaugurado em 2011 (pouco tempo depois de a gente ter ido pela primeira vez) e é feito de ferro.

prédio Evita, Buenos Aires
O prédio com o retrato de Evita, inaugurado em julho de 2011: gigante e muito lindo

Pra esquerda, está o Teatro Colón. É lindo.

Casa Rosada

A Casa Rosada é o Palácio do Governo deles e está bem na praça principal, a Plaza de Mayo, a mais antiga de Buenos Aires, cenário dos grandes movimentos políticos da Argentina. A Casa Rosada existe desde 1862 e foi de lá que foram feitos os famosos discursos dos Perón, inclusive o da Evita.

Casa Rosada, Buenos Aires
A Casa Rosada (muita gente por ali, principalmente no fim de semana – a fila é para fazer a visita guiada)

 

Piramide de Mayo, Buenos Aires
A Pirâmide de Mayo, também na Plaza de Mayo

Vale a foto da praça (ali está também a Pyramide de Mayo – um obelisco menor que fica na Praça, construída para celebrar o primeiro aniversário da Revolução de Mayo, o movimento que deu origem à independência argentina, que aconteceria anos depois, em 1816) e voltar no sábado para entrar e fazer uma visita monitorada. Os guardinhas são super simpáticos. E eu, claro, tirei foto com eles.

A Catedral Metropolitana é liiiinda e também fica por ali. Como eu adoro igrejas, todas as que eu vi, entrei. E elas são maravilhosas! Fica pouco antes de chegar à Plaza de Mayo.

Avenida de Mayo

Subindo a Avenida de Mayo, você vai encontrar o Café Tortoni, um dos mais tradicionais cafés de Buenos Aires. No início do século XX, era por lá que se encontravam artistas, boêmios e intelectuais. Gardel, Garcia Lorca e até o Rei Juan Carlos I da Espanha passaram por lá (há, inclusive algumas estátuas no fundo do lugar para tirar fotos). Ele é lindo e parece uma volta ao tempo. Sim, é caro. Mas vale a pena a visita. Dica: se você for do time dos doces, peça um churros com doce de leite à parte (ele não é recheado).

Café Tortoni, Buenos Aires
O lindo Café Tortoni: uma volta deliciosa ao tempo

Se estiver afim de andar, suba a Avenida de Mayo até uma rua chamada Suipacha. Vire nela à direita e ande uns cinco quarteirões até a Confiteria Ideal. Ali você encontra uma milonga super tradicional (uma espécie de salão de baile). Ali os velhinhos vão dançar. O preço é muito mais acessível que o de um show de tango e dá para ter aulas, inclusive. Na calçada em frente à Confiteria Ideal tem  os passos de tango pintados no chão para quem quiser tentar.

O que fazer à noite

Se quiser sair à noite pela região, uma opção é o The KilKenny Bar. Temático, com piratas na rua para você tirar fotos e muito legal por dentro!

The Kilkeny Bar, Buenos Aires, onde sair em Buenos Aires, bar em Buenos Aires
The KilKenny Bar

Piratas não fazem seu estilo? Se você estiver no Centro, ali pela Calle Reconquista há dezenas de bares. É só escolher. Ah! Fomos e voltamos a pé todos os dias e sem problemas.

Em Buenos Aires, a noite começa tarde. Cheguei lá pelas 22h e estava suuuuper vazio. Começou a encher quase meia noite.

Recoleta

O bairro é lindooooo! E muita gente acaba optando por ficar por lá. Se não for o seu caso (ele é mais caro, mas possui ótimas opções de restaurantes e lojas), vale a pena caminhar por lá e dar um pulo nas Av Callao e Santa Fé.

Plaza de San Martin

No centro do bairro, está a Plaza de San Martin. Ela tem uma feirinha simples, mas com algumas (poucas) coisas bonitinhas. Não sei se tem todos os dias, mas no final do sábado enche de gente pela região. A praça é bem bonita.

Por ali está também o Cementerio de La Recoleta. Apesar de meio mórbido, vale o passeio! Ali estão enterrados alguns dos principais personagens históricos argentinos, dentre eles, Evita. O que é legal no cemitério é que ele é uma obra de arte em si. Os mausoléus são muito bonitos (e ostentosos). Há centenas de gatos que habitam o local, o que é estranho. Se tiver paciência, faça a visita monitorada. É gratuita, mas demora um pouquinho.

Bem ao lado, fica a Paroquia Nuestra Señora del Pilar: linda! Assim como todas as Igrejas nas quais entrei em Buenos Aires.

Se o seu objetivo é encontrar com a original loja Havanna, saindo do cemitério, você já encontra uma unidade. O preço é a metade do que é aqui em São Paulo. Vale tomar um café quentinho e comprar algumas coisinhas. Mas não espere nada demais. Como dito, há alfajores melhores. E cafés também.

O Buenos Aires Design é um shopping dedicado ao design. Logo na entrada, tem uma loja chamada Morph (uma mistura de Etna com Tok Stok) que é o máximo! São Paulo chegou a ter uma unidade dessa loja, mas por algum motivo fechou. O que ela tem? Várias coisinhas pra casa, pra escritório, bugigangas… lindas e baratas!). Gostei tanto que voltei em 2014 pra comprar algumas coisinhas. Ali no shopping também está o Hard Rock Cafe.

San Telmo

A feira mais incrível é sensacional de Buenos Aires. Apesar de o Fe não concordar. A feira fica na Plaza Dorrego (sim! Este é o nome!). Acontece somente aos domingos pela manhã e segue até o início da tarde. É a Benedito Calixto deles. Só que gigante.

Começa na Humberto Primo e segue por toda a Defensa até a Plaza de Mayo. São muuuuuitas barraquinhas. Se gostar de alguma coisa, dê uma olhada enquanto você estiver indo para a praça. Há uma variação de preços muito grande. Na Defensa você encontra também muuuuitas lojas de antiguidades. E todos os tipos de souvenir (porta-copos, casais dançando tango, ímãs de geladeira…). Ah, cuidado com dias de chuva! As barracas somem!

Mafalda

Ah! Ali no meio da Defensa, do lado esquerdo, está o banco com a estátua da Mafalda, personagem do cartunista argentino Quino, criada em 1962. Ela é uma menina de seis anos, que odeia sopa e adora os Beatles e Pica-Pau. Ah! E é muito inteligente. Lógico que tem foto (tem Mafalda também em miniatura e na geladeira, em casa – sim, na nossa casa também tem Mafalda).

Mafalda, Buenos Aires, roteiro de Buenos Aires, Feira de San Telmo
Claro que tem Mafalda
Mafalda, Buenos Aires
Ela não é o máximo?

Tango: para quem quer ver, mas não quer gastar muito

Outra coisa: se você não quiser gastar rios de dinheiro em um show de tango, vale a pena esperar para assistir a um show de tango gratuito lá na praça, bem no cruzamento da Humberto Primo com a Defensa. Se jogar no Google “Feira de San Telmo”, você até consegue ver fotos do casal de velhinhos. Bem naquele estilão Buenos Aires do início do século XX.

tango, Buenos Aires, Feira de San Telmo
O casal dançando tango na Feira de San Telmo. Fomos em 2011 e eles estavam lá. Fomos em 2014 e lá estavam eles novamente.

Se quiser parar para tomar um café, faça isso em um lugar que fica na Defensa com a Avenida Belgrano! Fica bem na esquina. Não sei o nome, mas fica bem em frente a uma igreja.

Buenos Aires, Feira de San Telmo, empanadas
Bem ali do lado direito fica o café fomos nas duas vezes em que estivemos em Buenos Aires)

O chocolate quente é gostoso e dá pra tomar um bom café da manhã, pra variar, com várias opções de empanadas… bem gostosas! Ou ainda pegar uma empanada na volta do passeio pela feira. Um vinhozinho acompanha bem.

Outros passeios que valem a pena

Um lugar que eu estava doida pra ir, mas não consegui na primeira vez é ir ao El Ateneo, uma livraria gigante instalada no antigo teatro Ateneo Grand Splendid. Ela foi escolhida, há algum tempo, como a segunda livraria mais bonita do mundo, segundo o The Guardian. E é linda demais.

El Ateneo, Buenos Aires
El Ateneo (não fui na primeira vez, mas ficou entre as primeiras coisas a fazer na segunda)

Uma outra coisa que achei bem legal, mas indico só se você tiver tempo, é a Floralis generica, uma escultura metálica que fica na Plaza de Las Naciones Unidas, que abre e fecha de acordo com o horário do dia (e a luminosidade, claro). É bem legal.

O último lugar que coloco aqui não tenho foto, mas vale a visita. Antes de ir na segunda vez, uma pesquisa que eu fiz mesmo foi das melhroes empanadas. E teve uma que eu realmente gostei: a San Juanino. Ela fica em Palermo. Não sei dizer se é a melhor, mas eu gostei bastante. Pra ter uma ideia do quanto é famosa (e boa), o Matraqueando fez um post inteiro dedicado a ela.

Passeios que eu não fiz (mas que dizem que são legais)

Aqui vai uma relação de lugares que eu não cheguei a ir, mas tem alguns lugares que são legais (o Fê foi, mas eu acabei optando pelo mais básico para dar tempo). Ou outros que valem pela lembrança.

  • Boca (estádio e museu. Isso é autoexplicativo. Até queria ir, mas se tivesse jogo pra assistir);
Boca, Buenos Aires
O Fe no Boca. Acho que foi a primeira e última vez que ele foi a um estádio em outro país
  • Caminito (ao lado do estádio do Boca);
  • Zoológico (aquele que você tira foto com bichinhos como tigres e leões): ele  funcionava nas duas vezes em que fui. Ele fica um pouco afastado da cidade, por isso não fui na primeira vez (mas estava empolgadérrima pra ir).  Mas na segunda já não fui porque não quis. Pesquisei muito sobre como eles deixavam os animais naquele estado embriagado. E resolvi que não ajudaria a fomentar o negócio. Sei que agora ele será fechado. Ficava inconformada com aquilo;
  • Palermo Hollywood (local com vários outlets – como não fui para comprar, nem quis ir até o local. Mas se sua intenção é esquecer que existe amanhã, lá é muito bom;
  • Show de Tango (cheguei a reservar o Señor Tango, mas não fui porque achei muito caro. O passeio incluía um carro que ia nos buscar no hotel, jantar, bebida à vontade e o show);
  • Vinícolas (não fui porque não tinha tempo, mas tem passeios de um dia. Você vai, vê como os vinhos são fabricados, faz uma degustação e volta para o hotel. Não são vinícolas legais como as de Mendoza – que é bem longinho de Buenos Aires – mas o passeio é interessante);
  • Jardim japonês. Fica em Palermo e ele parece ser lindo mesmo. Mas não consegui ir.

Cuidado:

  • com os taxistas. Eles veem turistas e já sacam logo a tabela fechada de valores. Não existe isso! É só pra enganar os trouxas (como eu!). Se você tiver certeza de que foi enganada, vá negociando até o taxista abaixar o preço. Fale que você não aceita e vai sair do táxi;
  • com o táxi. Pegue somente os credenciados (eles tem uma coloração diferente, que eu não lembro qual é… mas na saída do aeroporto você logo percebe). Às vezes, o próprio hotel arranja um táxi pra você, mas eles não são credenciados e ainda utilizam tabela de preço fechado. O táxi que eu peguei para ir ao aeroporto era desse tipo. Fiquei meio puta, mas não tinha muito tempo a perder. O táxi era um lixão;
  • com o aeroporto que você vai escolher. O Aeroparque é muito mais próximo do centro da cidade que o outro, que eu não lembro o nome. Dá uns 35 pesos a corrida até o centro (eu acabei pagando 50 porque queriam me enganar e eu fui negociando – mas negociei até perder a paciência. O preço inicial era 70!).

Vale a dica:

  • se você ficar no centro, grande parte das coisas você consegue fazer a pé;
  • o ônibus é muito barato e bem fácil de usar (ele roda a cidade inteira e já indica externamente pra onde vai – sempre com os principais pontos turísticos). Tem ainda um turístico, que é aberto. Como o fim de semana inteiro fez muito frio, não tive coragem;
  • se você fizer o passeio sozinha, vá pelo português. Quando encontrar brasileiro, ofereça uma troca: uma foto sua em troca de uma foto dos turistas brasileiros. Todo mundo faz isso;
  • vinho por lá é bem mais barato. Mas já foi muito mais. Mas dá pra encontrar boas opções que por aqui se encontra pelo dobro do preço, principalmente vinho de melhor qualidade;
  • não esqueça de pedir instruções para pegar as notas do Tax Free. Você reembolsa até 20% do valor gasto em todas as suas compras (mas vale apenas para itens produzidos na Argentina);
  • se quiser “dar um pulo” no Uruguai, pegue o Buquebus. Não é caro (uns 200 pesos) e dá pra conhecer Montevideu em um dia (que é uma graça).
The following two tabs change content below.

chris_samira

Produtora de conteúdo desde 2002. Adora listas, chocolate, viajar e da canina Lili, além do Fe, com quem é casada há quatro anos. É especialista em "jogar no Google" e acha que vinho é uma questão de gosto pessoal (até porque não entende nada do assunto - só de beber mesmo). Vive indecisa quanto ao que deve fazer. Mas não acha que isso seja um problema.

Organize sua viagem para Roma com os serviços do Lá em casa tem vinho 

Desde que eu e o Fê viemos para Roma, resolvemos transformar este blog em um espaço em que pudéssemos dividir as nossas experiências. Diariamente, vamos conhecendo a cidade, aprendendo a viver nela e também mostrando aqui para você. E assim, compartilhando o que a gente vê por aqui, queremos fazer da nossa nova casa, a sua também. Além das dicas e de tudo o que postamos aqui no blog, resolvemos também ir atrás de parceiros que podem ajudar a transformar a sua viagem em uma experiência mais tranquila. A partir de agora, o LÁ EM CASA TEM VINHO te ajuda também a organizar a sua viagem para Roma.

E como a gente pode te ajudar a organizar sua viagem para Roma?

Estamos pensando em diversos aspectos. Mas queremos te oferecer possibilidades de buscar todos os produtos e serviços em um só lugar.
  • Você pode buscar a melhor tarifa de hospedagem seu hotel com nosso parceiro Booking.
  • Busca passagens de trem (e viaja de uma cidade a outra) com a nossa parceira RailEurope.
  • Reservar o seu transfer do aeroporto de Fiumicino (Leonardo da Vinci) ou Ciampino ao Termini e do Termini aos aeroportos com a Terravision.
  • Faz a cotação de seu seguro de viagem, obrigatório para quem visita diversos países europeus, signatários do Tratado de Schengen - inclusive a Itália, com o nosso parceiro SegurosPromo.
  • Compra os ingressos de todos os seus passeios antecipadamente, já se programando e evitando filas, com nosso parceiros GetYourGuide.
  • Podemos ainda acompanhar um dia de passeio e fazer fotos de você e seu grupo. Assim, não vai ter aquela história de ficar pedindo para alguém tirar a foto ou ainda sempre ter alguém do grupo que não aparece nas imagens.
  • Desconto para você visitar uma vinícola perto de Roma.
Confira aqui como a gente pode ajudar a organizar a sua viagem a Roma e os serviços que oferecemos.

Deixe uma resposta