Gelato italiano: o melhor sorvete do mundo

gelato

Eu ia esperar semana que vem para conseguir me organizar direito e reaparecer por aqui, mas precisava escrever este post sobre gelato – e aproveitar a oportunidade, já que hoje é o dia do sorvete.

Primeiro preciso explicar (por mais que eu já tenha adiantado aqui). Eu e o Fe estávamos em férias. Viajamos por um tempo. Fomos para a Turquia (especificamente Istambul) e para a Itália (fomos para Roma e para algumas cidades ao redor). E por isso ficamos desconectados (exceto pelo nosso perfil do Instagram, já viu?). Mas não esquecemos do blog (o Fe chegou até a ficar irritado comigo de tanta foto que eu tirava – mas foi uma viagem gastronômica, fazer o que? Tinha que aproveitar! É muito conteúdo) e estamos preparando várias coisas para os próximos dias…

Voltando então…

Minha história com o gelato

Eu sempre ouvi falar que o sorvete italiano, o gelato, é muito bom (prova disso é a Bacio di Latte – se bem que eu não sou fã assim dela, o que chega a causar indignação em algumas pessoas). E eu lembrava, da primeira vez que tinha ido a Roma, de uma sorveteria que tinha próxima à Fontana di Trevi que tinha um gelato maravilhoso. E estava morrendo de vontade de tomar de novo.

Roma x sorveterias

Roma é uma cidade lotada de sorveterias. Mas acho que a Itália toda deve ser assim (ou pelo menos do centro pra baixo) porque fomos para Chieti, uma cidade de Abruzzo, um estado vizinho, e lá tinha muita sorveteria.

Rápida história: fomos de trem a Chieti e tínhamos algumas coisas para resolver por lá. Só pudemos ir almoçar lá pelas 13h30, e na Itália eles têm o hábito da siesta (que segue, mais ou menos, das 13h às 15h30!!!). Saímos enlouquecidos atrás de um lugar para comer, desesperados de fome (tínhamos saído 7h de casa), mas não tinha nada aberto, só café e sorveteria. E eram muitas. Tivemos que ir no único lugar que encontramos, um hotel. Mas valeu a pena.

Ah! Só pra completar: em Roma os estabelecimentos, da região turística, ficam abertos.

E além das sorveterias (de gelato) eles vendem também picolé, tipo Kibon (mas lá chama Algida). Mas confesso que nem perdi tempo (ou dinheiro) pra experimentar.

Ah! Último comentário antes de falar sobre o sorvete: custa entre 1,50 e 3 euros a casquinha simples ou o copinho com dois sabores.

14 dias, 14 gelatos

Nós chegamos em Roma no sábado à noite. No domingo, o Fe trabalhou na cobertura da canonização da Madre Tereza de Calcutá, durante a manhã e início da tarde e, no fim do dia, estávamos livres.

Rápido parênteses. Sou apaixonada pela Fontana di Trevi. Não só pelo fato de ela ser linda (e olha que eu fui antes da reforma), mas pelo quanto ela representa para a cidade de Roma (de certa forma, é o Cristo Redentor deles), pela tradição da moedinha (adoro tradições! E olha só: deu certo, eu voltei pra Roma – e fui lá jogar outra moedinha – ah! E as moedinhas são recolhidas e doadas para a Cruz Vermelha, pelo menos foi o que eu li – olha que legal!). Mas o que me deixa fascinada é exatamente o encanto que ela tem, atraindo aquele mar de turistas ensandecidos diante daquela monstruosidade, que se aglomeram e se “acotovelam” buscando um espaço para tirar a foto perfeita (na verdade, é bem pacífico, mas requer um pouco de paciência). Acho aquilo incrível.

Fontana di Trevi, multidão na Fontana di Trevi
A foto ficou estranha, mas serve pra mostrar a multidão. É muita gente, independentemente do horário. Gente de tudo quanto é canto, falando todos os idiomas possíveis e imagináveis. (Mas confesso que tinha pouco brasileiro desta vez. Acho que ouvi português umas duas ou três vezes só, durante a viagem)

Foi por isso que quando o Fe me perguntou o que eu queria fazer, não tive dúvidas: ver a Fontana. E ela está ainda mais linda (nesse pós-reforma).

Fontana di Trevi, Rom
A gente foi durante o dia, mas tinha que ver como ela ficava à noite: ainda mais bonita.

O melhor gelato de Roma

Depois da moeda, depois da foto, depois de dizer “Grazie” a vários Bangladesh (sim, eles são de Bangladesh) querendo tirar uma foto instantânea sua por 3, 4, 5 euros, depois do momento-contemplação, a próxima coisa a fazer foi também fácil de escolher: o gelato. Mas tinha que ser o mesmo gelato que tínhamos tomado da outra vez (como disse, adoro tradições – e adoro criar as nossas).

O lugar em questão é o Don Nino. Eu confesso que não lembrava o nome, mas sabia exatamente a localização. E lá estava ele. A sorveteria é fofa demais. Bem iluminada, com mobiliário claro e um toquezinho vintage. Só de olhar a vitrine com os sorvetes expostos você fica maluco. É lindo. E o sorvete é incrivelmente bom (Eu cheguei a postar uma foto dele no Instagram, essa aí embaixo).

Fomos três vezes só dessa vez.

Gelato, sorvete Italiano, Don Nino Gelateria
O melhor gelato que eu provei em Roma. Nesse aí, por baixo era coco. Por cima, melão.

Eu não sei explicar o motivo de ele ser tão maravilhoso. Eu sei que ele é cremoso, tem sabor de fruta de verdade. Experimentei vários sabores, mas peça sem pestanejar por coco (o único sabor que é fixo pra mim), frutti di bosco, e um de iogurte. Como disse, fomos na unidade da Fontana, mas tem em outros quatro endereços pela cidade.

Os outros

Mas claro que não tomamos sorvete só por lá. Aliás, sorvete não faltou nessa viagem. Acho que não houve um dia que a gente não tenha tomado um gelato.

Um outro que o Fe gostou bastante foi o Old Bridge. Pelo que vi, é uma rede (porque tem em vários cantos de Roma – mas fomos duas vezes na unidade do Trastevere – a Vila Madalena/Pinheiros deles).

Mas o mais maluco de tudo é que por mais que a gente tenha experimentado vários, não teve um que eu possa dizer que tenha sido ruim. E o que é legal é que eles são artesanais, feitos no mesmo dia.

É  fato: a italianada sabe fazer sorvete.

The following two tabs change content below.

chris_samira

Produtora de conteúdo desde 2002. Adora listas, chocolate, viajar e da canina Lili, além do Fe, com quem é casada há quatro anos. É especialista em "jogar no Google" e acha que vinho é uma questão de gosto pessoal (até porque não entende nada do assunto - só de beber mesmo). Vive indecisa quanto ao que deve fazer. Mas não acha que isso seja um problema.

Organize sua viagem para Roma com os serviços do Lá em casa tem vinho 

Desde que eu e o Fê viemos para Roma, resolvemos transformar este blog em um espaço em que pudéssemos dividir as nossas experiências. Diariamente, vamos conhecendo a cidade, aprendendo a viver nela e também mostrando aqui para você. E assim, compartilhando o que a gente vê por aqui, queremos fazer da nossa nova casa, a sua também. Além das dicas e de tudo o que postamos aqui no blog, resolvemos também ir atrás de parceiros que podem ajudar a transformar a sua viagem em uma experiência mais tranquila. A partir de agora, o LÁ EM CASA TEM VINHO te ajuda também a organizar a sua viagem para Roma.

E como a gente pode te ajudar a organizar sua viagem para Roma?

Estamos pensando em diversos aspectos. Mas queremos te oferecer possibilidades de buscar todos os produtos e serviços em um só lugar.
  • Você pode buscar a melhor tarifa de hospedagem seu hotel com nosso parceiro Booking.
  • Busca passagens de trem (e viaja de uma cidade a outra) com a nossa parceira RailEurope.
  • Reservar o seu transfer do aeroporto de Fiumicino (Leonardo da Vinci) ou Ciampino ao Termini e do Termini aos aeroportos com a Terravision.
  • Faz a cotação de seu seguro de viagem, obrigatório para quem visita diversos países europeus, signatários do Tratado de Schengen - inclusive a Itália, com o nosso parceiro SegurosPromo.
  • Compra os ingressos de todos os seus passeios antecipadamente, já se programando e evitando filas, com nosso parceiros GetYourGuide.
  • Podemos ainda acompanhar um dia de passeio e fazer fotos de você e seu grupo. Assim, não vai ter aquela história de ficar pedindo para alguém tirar a foto ou ainda sempre ter alguém do grupo que não aparece nas imagens.
  • Desconto para você visitar uma vinícola perto de Roma.
Confira aqui como a gente pode ajudar a organizar a sua viagem a Roma e os serviços que oferecemos.

Deixe uma resposta